"There's no there, there". (W. Gibson. Mona Lisa Overdrive)
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

domingo, 7 de fevereiro de 2016

ASSÉDIO MORAL NO SERVIÇO PÚBLICO

FONTE: http://www.ouvidoria.mppr.mp.br/arquivos/File/cartilha.pdf

Os gestores públicos devem abrir os olhos para esse problema. O assédio moral na administração pública é uma realidade muito mais comum do que imaginamos. O assédio moral é a forma mais vil, torpe e covarde de violência no ambiente de trabalho, uma vez que nem sempre os elementos de prova estão evidentes. O assédio se traveste da falsa gentileza, do comentário maldoso, do elogio insincero. Quem assedia, tanto pode fazê-lo por ação quanto por omissão. Não lotar o servidor em local em que pode render mais e ser mais eficiente, não lhe fornecer os instrumentos de trabalho, não adotar providências para evitar que o servidor se ponha em situação vexatória são condutas omissivas tão graves quanto as ofensas pessoais e o patrulhamento da conduta do servidor. O STJ já decidiu que assédio moral é ato de improbidade administrativa. Os quase vinte anos que possuo no serviço público, como procurador, ensinaram-me que o silêncio do servidor assediado é muito eloquente. A covardia, inveja, incompetência e fraqueza de caráter de quem assedia estão escondidas, em boa parte das vezes, sob a máscara da simpatia e amistosidade. Infelizmente, poucos são os entes públicos que possuem códigos de conduta capazes de coibir esse mal.