"There's no there, there". (W. Gibson. Mona Lisa Overdrive)
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

sábado, 25 de agosto de 2012

QUANDO OS SONHOS FALAM

Não é todo mundo que na cerimônia de formatura recebe de presente um discurso do Neil Gaiman, o grande criador do Sandman. Vale a pena conferir o vídeo abaixo, desta feita com legendas em português.
Sonho dos Perpétuos...

Este sim é um verdadeiro enigma.

Neste aspecto (e nós percebemos
somente detalhes dos Perpétuos,
como enxergamos a luz através
da minúscula faceta de uma
enorme e impecavelmente
lapidada pedra preciosa), ele
é magro e esguio, com pele
tão pálida quanto a neve que cai.

Sonho acumula nomes para si
da mesma forma que outros fazem
amigos. Mas pouquíssimos são
os que recebem tal título.


Se existe alguém mais intimo dele,
esse alguém é sua irmã mais velha,
Morte, a quem, mesmo assim,
vê muito raramente.

De todos os Perpétuos, exceto
Destino (quem sabe?), ele é o mais
consciente e meticuloso na
execução de suas responsabilidades.

Quando a conveniência
se faz necessária, Sonho projeta
uma sombra humana.

Dentre os muitos nomes a
ele atribuídos, podemos citar:
Sandman, Morpheus, Oneiros,
Moldador, Kai'Ckul e vários
outros em línguas já esquecidas.
E após toda uma era com
o Mestre dos Sonhos a nos
guiar por seu reino de fantasia,
nos deparamos com um novo
aspecto do Sonho...

Aquele que antes era
Daniel Hall, uma criança
gerada no Sonhar, depois
que o Mestre dos Sonhos
foi preso na terra,
transfigura-se e assume
o seu lugar como
Sonho dos Perpétuos.

E este Sonho não é como
seu antecessor... ao menos
é o que todos dizem...
Fonte: sonhar.net